terça-feira, novembro 25, 2014

MAIS ALMA, NESSA CALMA.


Tenho andado distraída, um tanto confusa.Não sei se você notou, mas os dias parecem estar menores, os minutos já nem consigo contá-los, há o tempo...É como se a vida tivesse passando por mim assim como o vento, forte e imperceptível. Logo ela, tão rara como só a vida sabe ser, tão preciosa como ninguém nunca ousou entender.
Nos últimos dias, a calma me faltou, a paciência se esgotou.Aqui está meu corpo pedindo calma, meu coração desejando um pouco mais de alma.Tentei ser forte, mas fui fraca, tentei ser paciente e tudo que me resta agora é esta tal de impaciência.E a culpa é sua, sua humano.Você me faz promessas e não as cumpre, me julga amor e causa dor, você me diz poemas e fere com as algemas destas mentiras.Esperei ansiosa por aquele abraço, chorei dolorosamente a sua partida e você estava o tempo todo me vilipendiando com suas falsidades, o tempo todo me iludindo com teu jeito.
Meu mau?Esperei do mundo aquilo que ele esperava de mim, dei a eles o que esperava receber.Mas só agora entendi que somos todos iguais em nossas tamanhas diferenças, somos HUMANOS, vai ver esse é o nosso mal não é?Bem provável.
Sabe, é lamentável a mediocridade em que vivemos.Aposto que acordou hoje preocupado com as horas, no trabalho ou na escola, olhava ansiosamente ao celular para que elas passassem, olhou tanto que elas passaram sem que tivesse feito NADA.E se...hoje fosse o fim?Será mesmo se sua consciência não estaria cheia de incertezas?Será mesmo se você já teria feito tudo o que diz ter feito?
Aprendi com a vida que o início não representa só o nascimento, representa a tua vontade em começar a viver de verdade.Aprendi também que o fim não representa só a morte, mas sim a vontade em não ser nada.
Me pedem paciência, me cobram calma e sabe o que lhe suplico? Um pouco mais de alma.

Leia o texto ouvindo:
Paciênca-Lenine


Nenhum comentário:

Postar um comentário